domingo, 9 de janeiro de 2011

8 de janeiro de 1921- Despojos de D. Pedro II chegam ao Brasil


"Pedro II e D. Thereza Christina vêm dormir o último sono, afinal, no solo da pátria. Recebendo os despojos dos seus ex-soberanos, com este movimento enorme do carinho nacional, o Brasil só demonstra que o sentimento de justiça ainda é a flor mais delicada da sua alma generosa e cavalheiresca". (Jornal do Brasil).
Trinta e dois anos após Pedro II e sua esposa, Thereza Cristina, partirem para o exílio, chegaram ao Rio de Janeiro os seus restos mortais. A iniciativa partiu do Presidente Epitácio Pessoa. Tendo promovido no Congresso a aprovação da lei que revogava o decreto de banimento da ex-família real, que ainda pesava sobre seus descendentes, o presidente quis completar a grandeza do ato com outro de gratidão nacional: em reconhecimento à figura moral de ambos, propôs que seus restos mortais viessem a ser depositados em terras brasileiras, mandando vir do exílio os despojos dos ex-monarcas.
O encouraçado São Paulo, da Marinha Brasileira, recebeu no Rio Tejo, em Lisboa, as duas urnas funerárias e com elas chegou às águas da Guanabara, de onde, após desembarcadas no Cais Mauá, seguiram para o átrio da Catedral. Acompanharam os restos mortais durante a viagem, o Conde D'Eu e D. Pedro de Orleans e Bragança — genro e neto de D. Pedro II.
O cerimonial revestiu-se de grande magnitude. Nem mesmo a tempestade que desabou no momento em que os ataúdes eram desembarcados conseguiu dispersar a multidão que ao longo de todo o cortejo aplaudia incansavelmente.
Sepultados, provisoriamente, na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, em 5 de dezembro de 1939 os restos mortais do imperador e de sua esposa foram trasladados para a Catedral da Cidade de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro. Lá repousam até hoje.
Banimento e morte no exílio
Um dos primeiros decretos do governo provisório da República, datado de 15 de novembro de 1889, proibia à família imperial de residir no país.
D. Pedro II acatou prontamente a decisão e dois dias depois seguiu para o exílio com a família, encerrando assim os 67 anos de regime monárquico no país.
No dia 28 de dezembro do mesmo ano, Thereza Cristina morreu em Lisboa. Pouco antes do falecimento, teria confidenciado: "Eu não morro de doença. Morro de dor e de desgosto" . Pedro II mudou-se então para Paris, onde faleceu dois anos depois, sem coroa nem pátria, triste e esquecido.
Deu hoje na História



Nenhum comentário:

Postar um comentário