sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Entrevista de Dom Bertrand de Orleans e Bragança: " A república fracassou"


S.A.I.R. Dom Bertrand de Orleans e Bragança, em visita ao Estado de Santa Catarina para o III Encontro Monárquico Sul Brasileiro, concedeu entrevista ao jornalista Marcelo Tolentino do ND Online.

Por que restaurar a monarquia? Quais os defeitos do sistema republicano?
O objetivo da monarquia é criar na nação o clima de uma grande família, estimulando as qualidades do povo e inibindo suas más tendências. Há uma grande diferença entre a moralidade pública dos tempos do império e dos dias atuais. Ruy Barbosa, que redigiu o decreto que proclamou a república, depois se arrependeu do que fez. Dizia que enquanto na monarquia havia uma escola de estadistas a república era uma praça de negócios.
Na época havia mais liberdade de imprensa e uma democracia mais autêntica. Havia quatro poderes, Executivo, Legislativo, Judiciário e o Moderador, conduzido pelo imperador que dava a harmonia entre os poderes. Hoje o Executivo é quem manda. Além do mais, constitucionalmente, o imperador tinha menos poderes que o presidente da república tem hoje. Tinha grande influência, isso sim, principalmente para o bem. No Brasil, a república fracassou. Basta ver os atuais escândalos e o caos político em que vivemos.
 Em 1993, 13% da população disseram sim ao retorno da monarquia, em plebiscito. A maioria esmagadora optou pela permanência do república. Ainda acredita no retorno do sistema mesmo assim?
Não foi derrota. Foi a primeira batalha. Antes do plebiscito o retorno do império era encarado como um sonho. Agora pode ser visto como alternativa e, para muitos, a solução. Hoje é difícil encontrar alguém que diga que a república deu certo. A monarquia não é algo para agora, é algo para o futuro. Um dia, durante palestra nos Estados Unidos, criticaram a monarquia, dizendo que no regime republicano qualquer um pode ser presidente e que todos podem votar para escolhê-lo. Dizer que qualquer um hoje pode ser presidente é a mesma coisa que dizer que qualquer pessoa pode ganhar na mega-sena. E é questionável o argumento de que nós escolhemos o chefe de Estado. O que a gente faz é optar por duas ou três opções postas pelos partidos.

Como é ter um nome tão grande hoje, em um mundo globalizado?
Meu nome completo é dom Bertrand Maria José Pio Januário Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Bragança e Wittelsbach. As pessoas reclamam. Não cabe nos cadastros. Mas claro que eu uso abreviado. Só dom Bertrand Orleans e Bragança.

O governo brasileiro dá algum tipo de ajuda financeira aos príncipes herdeiros?
Nada. Quando a república foi proclamada o governo confiscou todos os bens da família real. O processo mais antigo da Justiça brasileira é o nosso, pois a princesa Isabel tinha um bem pessoal que era a sua residência, hoje o Palácio Guanabara, no Rio de Janeiro. Pedimos reintegração de posse em 1891, então o processo já dura 120 anos.

Nas famílias reais é natural o príncipe casar com alguém da mesma linhagem real. Mas o senhor é solteiro. Não encontrou a companheira ideal?
Normalmente casamos com pessoa do mesmo nível social, no caso uma princesa. Isso é tradição. Mas eu sou solteiro. É uma posição pessoal. Em casa somos em 12 irmãos. Se eu tivesse 12 filhos não teria tempo pra as minhas atividades.

Como é a sua rotina?
Sou formado em direito. Mas hoje me dedico principalmente ao movimento monárquico, dando palestras, participando de encontros. E também participo do movimento Paz no Campo, que visa lutar pelos direitos de propriedade.

O senhor tem algum hobby?
Gosto de ler. Mas quando mais jovem praticava equitação e alpinismo. Gosto de livros sobre a história, que é tão interessante que não vale a pena perder tempo com histórias fictícias. Hoje estou lendo um livro sobre a Revolução Francesa.

O que gosta de comer? Tem preferências musicais?
Eu como de tudo, mas tenho uma abominação por chuchu. E escuto muita música clássica, não que a música popular não tenha coisa boa. Não gosto é de rock, que é cacofonia. Prova disso é o fato das vacas soltarem mais leite ouvindo música clássica. Quando ouvem rock ficam travadas. Isso é científico. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário